A+ A-

O (ab)uso da tecnologia na Medicina

O Brasil é o terceiro país do Mundo em mercado de saúde privada e o quinto que mais emprega em saúde pública. Contudo, o investimento está aquém do necessário. Na Saúde Suplementar, o financiamento está cada vez mais difícil e, na contramão das fontes financiadoras, as empresas e pessoas físicas, as tecnologias estão infinitas. A supertecnificação da Medicina, representada pelas órteses, próteses, materiais especiais, medicamentos e equipamentos de alto custo, associada às transições epidemiológica e demográfica, desafiam a difícil missão de proporcionar assistência médico-hospitalar de excelência a custos compatíveis. 

Dados mostram que 60% da alta dos gastos em saúde estão relacionados à tecnologia médica e que 50% dos tratamentos utilizados hoje não existiam há 10 anos. Estes custos crescentes desequilibram os orçamentos. Em 2012, por exemplo, as operadoras de planos de saúde do Brasil fecharam o ano com a maior sinistralidade dos últimos 12 anos: 85%. Em cifras, isto significa que dos R$ 92,7 bilhões arrecadados pelo setor, R$ 92 bilhões foram para pagar custos e despesas assistenciais.

Então, qual seria a solução?

Para gerenciar este risco em saúde é inadiável mudar paradigmas. É urgente um movimento rumo ao resgate da relação saudável entre hospitais e operadoras, com o envolvimento do médico e da indústria com seus distribuidores, para que sejam preservados o equilíbrio financeiro das partes, a assistência de qualidade ao cliente e a melhor remuneração profissional. Saúde não tem preço, mas assistência médica tem, e altíssimo.

Somente na saúde o uso de novas tecnologias não reduz custo, é cumulativo. A assimilação acrítica e a rápida incorporação de tecnologias, sem avaliação rigorosa quanto à segurança, eficácia e custos, conduzem aos abusos. Estima-se que apenas 50% das intervenções médicas foram avaliadas com metodologia sistematizada de bom nível e que menos da metade mostrou-se efetiva.

Médicos, gestores ou não, são o principal elo entre operadoras de planos de saúde, rede prestadora, indústria farmacêutica e o cliente. Cabe a quem detém o conhecimento e a prática, a responsabilidade ética de aceitar, de mudar ou rejeitar tecnologias criticáveis e, sobretudo, humanizar o atendimento.



Hugo Borges

Presidente da Unimed Juiz de Fora

e da Federação das Unimeds da Zona da Mata Mineira

 
 
Copyright © 2008 Unimed Juiz de Fora. Todos os direitos reservados.
Av. Rio Branco 2540 - Centro | Juiz de Fora - MG | 2ª a 6ª feira, das 8h às 18h | SAC 24h: 0800 030 11 66
Desenvolvido por logo da Handcom