A+ A-

Cuidados básicos para pais e filhos nas redes sociais

O tema 'crianças e adolescentes nas redes sociais" costuma render polêmicas constantes e lançar alertas para as famílias. Recentemente, o Instagram divulgou que deverá deletar as contas de menores de 13 anos, exceto aquelas que são administradas por seus pais, seguindo o que consta em seu regulamento.

Por um lado, as crianças de hoje já nasceram em um mundo digital e naturalmente utilizam a tecnologia nos momentos de lazer. Na outra ponta estão os pais que tentam monitorar e limitar as atividades dos filhos no mundo virtual e especialistas que frequentemente alertam sobre os perigos e as consequências do tempo excessivo em conexão.

O uso das redes sociais afeta a saúde mental e física. Uma pesquisa da The Royal Society for Public Health (RSPH) indicou que elas viciam tanto quanto álcool e cigarro. Especialistas afirmam que elas também favorecem a ansiedade, a depressão, a sensação de solidão e a baixa autoestima. Sobre a saúde física, a coluna é uma das mais impactadas, já que o uso constante de celular faz com que as pessoas fiquem com a cabeça inclinada para a frente e a postura incorreta, o que tem levado crianças e jovens com queixas de dores aos consultórios de ortopedistas.

Além de ser uma ameaça à segurança da família, o hábito de divulgar todos os momentos vividos nas redes sociais, aguardando uma chuva de curtidas que massageiam o ego e demonstram popularidade, pode dar novos contornos ao convívio familiar e social. Médicos, psicólogos e psicoterapeutas têm convidado as pessoas a refletirem se mais vale registrar as vivências para exibi-las ou deixar o celular de lado e aproveitar desde os momentos mais simples até os mais especiais ao lado de quem se ama. É o mundo virtual ou a vida real?

Presença on-line desde a tenra infância

Engana-se quem pensa que o paladar da criança se desenvolve apenas ao nascer. Estudos comprovam que o bebê começa a desenvolvê-lo ainda no útero da mãe, por volta da 14ª semana de gravidez. Por isso, é tão importante que a futura mamãe se alimente de maneira saudável e variada, sem descuidar depois do nascimento do bebê. Até porque são os hábitos alimentares da família que vão determinar o paladar da criança. E o exemplo dos pais à mesa é essencial. Afinal, a criança pode se recusar a comer um ou outro alimento, o que é normal, segundo os especialistas, mas, se este for um hábito dos pais, com o tempo, eles tendem a se render a ele de forma prazerosa.

Um levantamento da empresa de segurança digital AVG com dados de pessoas de 10 países mostra que, a cada quatro crianças com menos de dois anos, três delas têm fotos on-line. Ou seja, seus pais é que são responsáveis pela superexposição dos pequenos que nem sequer se manifestam ainda se gostariam de tamanha presença no mundo virtual.

Especialistas têm convidado os adultos a refletirem sobre a troca do hábito de narrar para quem quiser ver a vida cotidiana dos filhos no mundo on-line por uma convivência mais intensa, com abraços, conversas olho no olho e atividades em conjunto que fortaleçam o vínculo, deixando o celular totalmente de lado.

Os benefícios desse exercício podem ser desde uma maior proximidade entre pais e filhos, como o estreitamento da confiança, o fortalecimento da amizade e o aumento da cumplicidade. A conversa sobre o que cada um quer ou deve postar nas redes sociais deve entrar na pauta da família, mas, no caso de crianças pequenas, cabe aos pais uma análise cuidadosa do que é permitido ou não, e um monitoramento de perto das atividades.

Já no caso dos jovens, psicólogos e especialistas em segurança virtual orientam os pais a ficarem de olho não apenas nas postagens, como também nos grupos que eles participam e a forma como interagem. Tudo com um limite combinado. Aos adultos, vale o alerta para avaliar o que realmente deve ser postado sobre a família. Pisando no freio e mudando os hábitos, certamente todos vão contabilizar os ganhos ao apostar em viver plenamente os bons momentos ao invés de priorizar mostrá-los na internet.

Texto: Karina Fusco | Edição: Ana Carolina Giarrante e Michel Vita | Design: Alex Mendes

Fonte: Programa de Dependências Tecnológicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), The Royal Society for Public Health, Universidade da Flórida e SaferNet.

Conteúdo aprovado pelo responsável técnico-científico do Portal Unimed.

 
 
Copyright © 2008 Unimed Juiz de Fora. Todos os direitos reservados.
Av. Rio Branco 2540 - Centro | Juiz de Fora - MG | 2ª a 6ª feira, das 8h às 18h | SAC 24h: 0800 030 11 66
CNPJ: 17.689.407/0001-70
Desenvolvido por logo da Handcom